Imprimir página

Enviar por e-mail

 

CUIDADOS COM O POTRO



"Do nascimento até 1 ano de idade"

    De todos os animais criados pelo homem o cavalo, provavelmente, é o que menos cuidado recebe durante o início de sua vida. Se considerarmos que o animal atinge 70 a 80% de seu desenvolvimento durante os 12 a 14 meses de sua vida, é importante uma adequada alimentação nesta fase.
    A falta de um maior número de pesquisas e as características anatômico-fisiológicas do aparelho digestivo dos cavalos têm auxiliado o misticismo que existe na alimentação dessa espécie. Por outro lado, as éguas não são selecionadas na base da produção de leite e, assim sendo, é necessário um programa de alimentação mesmo durante o aleitamento.
    O potro recém-nascido deve receber nas primeiras horas o colostro, a fim de se imunizar contra diversas infecções, sem o qual é muito difícil criar um animal sadio.
    Durante a primeira semana de vida, o potro deve ser alimentado muitas vezes ao dia, preferivelmente a cada 3 horas. A quantidade de leite ingerido deve ser igual a 10% de seu peso vivo.
    As éguas alcançam o pico da lactação entre 3 e 6 semanas depois do parto, portanto se objetivado um crescimento contínuo e adequado durante este período, é necessário uma suplementação alimentar.
    Essa suplementação deve começar por volta dos 10 dias de idade. No início, até se habituar, o potro consome pouca ração. O importante nesta fase não é o consumo e sim o hábito de receber alimentação sólida. O alimento sólido deve fornecer altos níveis de energia, proteínas e vitaminas.
    O nível de energia deve ser alto para possibilitar um crescimento rápido. Os principais cereais empregados para esse fim são: o milho, aveia e a cevada. Como os dentes ainda não estão bem desenvolvidos, os grãos devem ser quebrados para facilitar o consumo e a digestão. A fina trituração deve ser evitada pelo excesso de poeira.
    O cozimento de grãos de cereais para eqüinos não tem apresentado nenhuma vantagem adicional. O melaço pode ser usado com fonte de energia e para diminuir a poeira.
    Apesar da pouca informação sobre a adição de gorduras, as existentes indicam um excelente aumento no nível energético, principalmente para cavalos que têm tendência para consumir pequenas quantidades de alimento.
    A proteína é tão necessária quanto o nível de energia, mas também a digestibilidade dela é de igual importância para seu papel na alimentação. Com o desenvolvimento das pesquisas, dentro de pouco tempo as exigências de aminoácidos serão maiores e mais importantes que os níveis protéicos.
    Dos alimentos utilizados como fonte de proteína, tudo indica que a soja é um dos melhores. Principalmente por ser de grande digestibilidade e bem equilibrada em aminoácidos. Seus níveis devem ser de 22% para animais até os 6 meses de vida e 18% para animais de 1 ano.
    A vitamina A é muito importante para a manutenção dos tecidos da pele, do aparelho intestinal, aparelho respiratório, etc. Os potros nascidos de éguas carentes dessa vitamina, nascerão fracos e propensos a diarréia, pneumonia e pele seca. A ração para eles deve apresentar de 2 mil a 5 mil U.I. (unidades internacionais). A vitamina D está envolvida no crescimento do esqueleto, ela permite a assimilação de cálcio e fósforo no organismo. Essas necessidades aumentam quando o potro não recebe sol. A quantidade ideal é o enriquecimento das rações com 200 a 500 U.I. de vitamina D.
    A vitamina E esta associada às funções musculares e reprodutivas. É desejável cerca de 20 U.I. por 100 kg de peso vivo.
    As vitaminas hidrossolúveis (Complexo B e Vitamina C), são essenciais no metabolismo geral da energia e da proteína. A carência tem como primeiros sintomas a falta de apetite e pelagem de mal aspecto.
    O cálcio é limitante no desenvolvimento dos potros. A melhor relação nesta idade é de 1,5:1.
    Infelizmente o cálcio tem sido considerado o mais importante mineral pelos criadores de cavalo. Como conseqüência, o animal recebe pouca quantidade de fósforo.
    Em resumo:

    1- Com 10 dias: iniciar o fornecimento de ração sólida. Apresentando 22% de proteína e pouca fibra.
    2- A partir dos 6 meses: o nível de proteína baixa para 18%.
    3- Aos 12 meses: o nível de proteína baixa para 16%.
    4- A suplementação mineral deverá ser fornecida livremente em coxo separados.
    5- Água e volumoso seco de boa qualidade.

Cavalo Completo
8/99